quarta-feira, 6 de maio de 2009

Lugares improváveis

Era uma daquelas épocas da nossa vida que podemos definir simplesmente como "merda". Havia perdido emprego, oportunidades de outros empregos, a grana "magicamente" estava sumindo, a mãe estava frustrada com o trabalho, o pai estava a beira de se lascar nos negócios e, para dar um toque final de frustração na coisa, a namorada dera um belo chute na bunda, épico mesmo, daqueles que se justificam por: "Por gostar tanto de você, creio que não podemos ficar juntos, pois lhe faria sofrer por atrazar sua vida no momento em que não estamos como deveríamos estar". Pasmém.

Cara de cú. De manhã, faculdade, aulas porres e tudo o que se tem direito na "Didática". Vem aquela boa e velha soneca na sala de aula, e foda-se o maldito seminário (pelo menos por hoje). Cara de cú². No banheiro, água no rosto, chuveiro, para acordar. E quando tudo parece que vai no mal, naquele improvável lugar, surge um cara misteriosamente e perguntar:

"Cê tá bem, cara?"
...
"To... valeu."
...
"Beleza..." E ele some.

E se você pergunta se isso pode mudar a vida de alguém. Sim, pode mudar.
Agora é a hora de sair do banheiro mais livre; alguém se importa e você sabe.

Nos lugares improváveis, coisas improváveis acontecem.
Deus sabe.

5 comentários:

GABRIEL, gustavo disse...

A "Lugares Improváveis (2)" está no "É cada coisa que acontece".

Nathi disse...

Uhm, blog novo?

Já conheci e achei bem legal, suas fotos são de primeira!

Mas vamos ao texto, "improvável", sabe eu diria que as coisas mais legais são aquelas que se deram ao luxo de fugir da rotina e são assim chamadas, surpresas, imprevistos, contra-tempos, eu diria que é diversão, experiência, aprendizado!

Aquilo que foge do seu plano te assuta? Aprenda a viver de maneira mais simples e a falta de energia numa noite de terça-feira não lhe tirará do sério!

Viva aos Improváveis acontecimentos!

Nathi disse...

Ou, não consigo comentar lá no outro, ouxênte!!

Odacy disse...

for real?

Caceres disse...

Foda é olhar pro lado e soltar aquele estéril "beleza", ou o fingido "tá tudo na paz". Mas, no indo e vindo, as coisas vão se moldando e o tempo vai resolvendo e reconstruindo. Eu sempre digo: calma; e espero a fase "merda" passar.